• Setembro de 2017
Home / Notícias

Ajustes podem levar retração ao varejo, diz Fecomercio SP

São Paulo - Se os ajustes na economia brasileira prometidos pelo governo Dilma Rousseff para 2015 se concretizarem, o comércio varejista deverá enfrentar mais um ano difícil, com perspectivas de crescimento zero ou retração.

A expectativa é da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), que desenha um cenário macroeconômico preocupante para o próximo ano.

Na avaliação da entidade, os prováveis ajustes serão "restritivos", o que deverá manter os principais indicadores da economia brasileira nos mesmos níveis de 2014.

A instituição espera, contudo, que os ajustes consigam recompor, aos poucos, a confiança das famílias e dos empresários.

"Teremos um ano difícil, embora por um bom motivo: a volta do crescimento. Acredito que terminaremos 2015 com posição oposta à deste ano. Enquanto estamos encerrando 2014 com o PIB desacelerando e consumo fraco e desanimado, em 2015 estaremos na ponta oposta, com a economia voltando a crescer, mesmo que não robustamente, mas indicando que em 2016 será melhor", avaliou Fábio Pina, assessor econômico da FecomercioSP.

Segundo ele, as projeções iniciais para o desempenho do comércio no próximo ano variam entre zero e -2%.

"São projeções com um grau de incerteza baixo, pois estamos trabalhando com poucos elementos concretos. Basta um deles não se confirmar e tudo muda", ponderou.

Pina destaca que os ajustes deverão dar uma "chacoalhada" na economia brasileira. Apesar de as medidas ainda não terem sido anunciadas, o setor varejista trabalha com a perspectiva de fim das isenções fiscais, como o retorno do IPI para as alíquotas normais, cortes de gastos e aumento da carga tributária.

Com esse cenário macroeconômico mais cauteloso, o assessor econômico da FecomercioSP avalia que as condições de crédito deverão ser restritivas. "Não vai ser um credit crunch, mas neste ano, se tirar o crédito imobiliário, o crédito para consumo já foi menor", afirma.

A entidade espera que o saldo das operações de crédito com recursos livres suba 5% neste ano e, em 2015, fique entre 0 e queda de 5%.

Esse cenário leva em conta uma projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), indicador oficial de inflação, de aproximadamente 6% no próximo ano, ante os 6,5% previstos para 2014, e de uma taxa básica de juros (Selic) atingindo 12% ao ano em 2015.

Atualmente, ela está em 11,75%. Para o dólar, a FecomercioSP trabalha com um cenário da moeda americana ainda "pressionada", fechando 2015 a R$ 2,60, R$ 0,10 a mais do que a projeção para o fim deste ano.

Diante disso, a entidade espera que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça 1% no próximo ano, pouco mais do que o 0,5% projetado para 2014. Já a produção industrial, após encolher 3% neste ano, deve subir 1% em 2015.

Balanço de 2014

"O comércio já foi afetado este ano e não conseguiu sustentar o crescimento maior que o do PIB", afirma Pina, ponderando que isso "já era esperado" porque consumo maior do que produção gera inflação e déficit externo.

"Com muita sorte, esperando que haja um respiro no Natal, o comércio deve ter resultado entre -1% e 0%, sendo mais provável decréscimo", prevê.

A previsão se baseia em um Índice de Estoques 8,4% menor, em média, do que em 2013 e na queda da Confiança do Consumidor (ICC) e do Empresário do Comércio (Icec) de 19,1% e 9,2%, respectivamente, em relação ao verificado no ano passado.

Na avaliação da FecomercioSP, "cada vez mais preocupadas com o cenário econômico", os consumidores reduziram a intenção de compras, o que deve fazer com que o Índice de Intenção de Consumo das Famílias (IFC) caia 10,3%, em média, em relação a 2013.

Diante disso, a entidade espera que a proporção de famílias endividadas caia de 54,7% em janeiro para 44% em dezembro deste ano, enquanto o porcentual daquelas com contas em atraso tende a recuar de 14,8% para 12,5% no período.

Com isso, a instituição projeta que o índice de intenção de financiamento, que compõe a Pesquisa de Risco e Intenção de Endividamento (PRIE), registrará queda de 4,5%.

Esses números indicam "uma retração da propensão a consumir que pode influenciar também o início de 2015", pondera a FecomercioSP.

A entidade prevê que o Custo de Vida por Classe Social (CVCS) deve aumentar nos últimos dois meses do ano, "especialmente por causa do recente aumento da gasolina nas refinarias e da estiagem persistente que incide sobre regiões produtoras do Brasil". De janeiro a outubro, o indicador acumula alta de 4,85%.

Fonte: Exame