• Novembro de 2018
Home / Notícias

Notícias

Atacarejo é tendência positiva no com...

Atacarejo é tendência positiva no comércio nacional

O atacado de autosserviço (modelo cash and carry) popularmente conhecido como atacarejo é tendência e, cada vez, mais se firma como caminho sem volta no comércio nacional, registrando crescimento ano após ano, motivado por um movimento de mudança dos hábitos dos consumidores mais sensíveis a preço, especialmente em épocas de crise. Dados da Associação Brasileira dos Atacadistas de Autosserviço (ABAAS), dão conta de alta de 14% na atividade em 2016, com perspectivas de vendas em volume de produtos aumentando em um patamar de cerca de dois dígitos ainda este ano. 

“Nos últimos cinco anos, o consumidor final aderiu ao atacarejo com bastante força. O fluxo de pessoas comprando para consumo domiciliar e a contribuição desse público para o negócio cresceu, atraindo consumidores de todas as idades e em diferentes momentos de vida, representando todas as classes sociais”, observa Marcos Lancellotti, supervisor de marketing, trade e atendimento da TOP PEOPLE, empresa especializada em trade marketing e recrutamento e seleção. 

Pesquisas de mercado atestam que de fato o preço é o que mais atrai o cliente para esse tipo de compra, afinal, a partir de pequenas quantidades a granel adquiridas, já é possível fazer uma considerável economia. Além disso, o ganho no bolso do consumidor ao se utilizar do atacarejo pode chegar a mais de 20% no valor final quando comparado a um canal de varejo tradicional. Isso contribui para uma dinâmica que tem auxiliado consumidores a perceberem as facilidades de se fazer compras em uma loja de atacado de autosserviço, seja para qual finalidade for.  

Experiência que deu certo

Com as vendas do atacarejo tão aquecidas, não é difícil entender porque a modalidade segue no centro da estratégia da expansão das grandes redes varejistas no Brasil e não mais apenas dos pequenos comércios. Bons exemplos vêm de duas grandes redes atendida pela TOP PEOPLE, que apresentam plena expansão com aberturas de novas lojas neste final de 2017 e início de 2018. Enquanto uma acabou de inaugurar unidade em Guarulhos (SP), a outra vem reformando diversas filiais para migração ao modelo do atacarejo, das quais duas já em funcionamento: Cidade Dutra, na zona Sul de São Paulo, e Carapicuíba (SP). 

Como a experiência conquistou os brasileiros, ainda que a economia do país se mantenha em curva ascendente, a mudança é clara no horizonte: o consumidor resolveu se programar para fazer compras em maiores quantidades, com comodidade e bons preços. Esse tipo de planejamento não ocorreu porque as pessoas resolveram ficar mais organizadas, mas, sim, devido às necessidades trazidas pela crise.  

“Isso nos mostra claramente que não basta mais para os varejistas terem apenas as prateleiras cheias de produtos. As lojas deixam de ser pontos de vendas para serem pontos de serviços, de atratividade. Para concorrer com a internet e com os formatos focados em preço, têm de se transformar num espaço onde o consumidor esteja realmente motivado a ir”, finaliza Lancellotti.

Posts Recentes