• Novembro de 2017
Home / Notícias

Notícias

Vendas crescem no varejo após dois anos de retração

Após dois anos de retração, o grande varejo viveu um primeiro trimestre de crescimento de vendas e rentabilidade, tendência que se acentuou em março e continuou em abril e maio. O Valor Data analisou os balanços de nove grandes companhias de capital aberto do setor e apurou que a receita líquida conjunta aumentou 14,8% de janeiro a março quando comparada com a do mesmo período do ano passado.

Esse grupo de nove companhias – Pão de Açúcar, Via Varejo, Raia Drogasil, Magazine Luiza, Lojas Renner, Profarma, Hering, Restoque e Multiplan – registrou faturamento conjunto de R$ 25,76 bilhões no trimestre. O lucro líquido subiu de R$ 78,8 milhões no primeiro trimestre do ano passado para R$ 595 milhões no início deste ano.

“Os números de 2017 não refletem mais aquela catástrofe de 2016” diz Fábio Bentes, economista da Confederação Nacional do Comércio (CNC). Ele destaca reações em setores como vestuário, material de construção e eletroeletrônicos.

Relatórios de analistas de bancos indicam que os saques de recursos das contas inativas do FGTS foram um dos principais fatores que impulsionaram o varejo. Até 3 de maio, segundo dados divulgados ontem, a Caixa Econômica Federal liberou R$ 16,6 bilhões dessas contas, valores sacados por 10,6 milhões de trabalhadores nascidos entre janeiro e maio. A partir de sexta-feira, começa a liberação de recursos para os nascidos nos meses de junho, julho e agosto.

Paola Mello, analista do Citibank, lembra que o início deste ano foi difícil para os varejistas, mas em março houve uma inflexão. A tendência foi mantida em abril e Paola observa, em relatório, que “agora a recuperação do consumo doméstico tem um impulso real”.

Para este mês, a expectativa de continuidade na tendência de aumento das vendas advém das previsões para o Dia das Mães, a ser comemorado no domingo. No ano passado, as vendas que antecederam a data caíram 8,5% na comparação anual. Neste ano, a Confederação Nacional do Comércio prevê crescimento de 3,8%.

Posts Recentes