• Setembro de 2017
Home / Notícias

Movimento no comércio do Recife deve ter aumento de até 4% por causa do carnaval

As vendas do comércio varejista devem ter um aumento de 3% a 4%, este mês, no Recife. Em fevereiro do ano passado, houve uma queda de 4,2% no movimento das lojas do estado, tendência que foi seguida pela capital, segundo os dados da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Pernambuco. Neste ano, no entanto, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) da capital pernambucana prevê saldo positivo para o mesmo mês, majoritariamente por causa do carnaval.

Segundo o presidente da CDL Recife, Eduardo Catão, o saldo negativo do ano anterior pode ser justificado pelo fato de que o carnaval ocorreu no início do mês. “Geralmente, as famílias acabam gastando mais que o programado no carnaval e levam um tempo para voltar à normalidade. Agora, além de o carnaval ser no fim do mês, há a estadia prolongada dos turistas, o que dá um gás maior ao varejo”, explicou.

Também em fevereiro de 2016, o setor que sofreu mais com o déficit no comércio foi o de eletrodomésticos, com 39,4% de queda, segundo a Fecomércio. “Quem vende produtos carnavalescos e sapatos está sentindo a melhoria no setor. Isso também deve se refletir em março, já que a maioria das pessoas recebem no 5º dia útil, depois do fim do carnaval”, completou Catão.

Procon

Durante o carnaval, o Procon-PE terá dois pontos descentralizados de atendimento ao consumidor. Um deles começa a funcionar na quinta-feira (23), no bairro do Recife, e outro, no Aeroporto Gilberto Freyre, na Zona Sul, na terça-feira (28) e quarta-feira (1º).

Segundo o gerente de Fiscalização do Procon-PE, Roberto Campos, as principais queixas dizem respeito a cobranças mínimas no cartão de crédito, pagamento de 10% referente a atendimento, exigência mínima de consumação e cobrança de couvert artístico sem prévio conhecimento.

“Esses itens são proibidos, de acordo com o Código de Defesa do Consumidor. Nos pontos temporários de atendimento, o folião pode agilizar as reclamações, para que a fiscalização também seja mais efetiva”, explicou.

Fonte: G1 PE