• Agosto de 2018
Home / Notícias

Notícias

Setor varejista fechou mais de 2 mil postos no RS em junho

O setor varejistas gaúcho fechou 2.114 postos de trabalho em junho deste ano, conforme a análise mensal da conjuntura econômica realizada pela Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul (FCDL-RS). Segundo o presidente da FCDL-RS, Vitor Augusto Koch, os dados preocupam o comércio varejista e que ajudam a compor o quadro ruim de 530 mil gaúchos desempregados atualmente, de acordo com pesquisa do IBGE. No mesmo período de 2015, ocorreu uma queda de 1.929 vagas.

"Precisamos ter, com urgência, uma retomada do crescimento econômico do país, para evitar que, mensalmente, os indicadores de geração de postos de trabalho continuem sendo negativos. Apesar de acreditarmos que existe a possibilidade da empregabilidade no varejo do Rio Grande do Sul ter um leve aumento até o final do ano, isso somente irá ocorrer com a execução de políticas que ajudem a resgatar o poder de consumo da nossa população", destaca Vitor Koch.

No âmbito dos municípios, Porto Alegre apresentou o maior saldo de demissões, com - 367 vagas, vindo logo a seguir Pelotas, com - 150 e Santa Maria, com - 100. Na totalização de junho, 266 municípios gaúchos registraram estabilidade ou alta no emprego varejista, diante de 233, com saldo negativo.

Conforme o dirigente da FCDL-RS, ao longo deste ano tem falado muito sobre temas que afetam os indicadores de emprego no País e no Estado, como o aumento de impostos, as taxas de juros elevadas e o avanço da inflação, o que leva a menos dinheiro no bolso das pessoas. Vendendo menos, os empresários teriam a necessidade de promover ajustes em seus quadros funcionais, o que, na maioria da vezes, gera demissões.

Dos 78 gêneros do comércio varejista gaúcho, 21 registraram aumento ou estabilidade do número de postos de trabalho em junho último, diante de 57 segmentos em queda. Os destaques positivos ficaram para os ramos relacionados ao comércio de bebidas e gás liquefeito. Pelo lado oposto, as demissões ficaram centradas nos estabelecimentos de super e hipermercados e artigos do vestuário.

Posts Recentes