• Setembro de 2017
Home / Notícias

Aparelhos baratos e países emergentes puxam vendas de smartphones

Dispositivos baratos vendidos em países emergentes puxaram o mercado global de smartphones no terceiro trimestre de 2015. Segundo o Gartner, foram comercializados, mundialmente, 353 milhões de unidades de aparelhos para usuários finais no quarter, expansão de 15,5% sobre o mesmo período do ano anterior.

A consultoria observa que consumidores dessas regiões em crescimento estão trocando telefones mais básicos por dispositivos inteligentes devido a pequena diferença de preço entre produtos nessas categorias.

“As vendas desses aparelhos em mercados emergentes atingiram 259,7 milhões de unidades no terceiro trimestre de 2015 – um crescimento de 18,4%, comparado ao terceiro trimestre de 2014 –, enquanto as vendas em mercados desenvolvidos alcançaram um crescimento de 8,2% no mesmo período”, compara Anshul Gupta, diretor de pesquisas do Gartner.

Vale citar que, no período, a Samsung atualizou seus principais aparelhos para enfrentar a desaceleração da demanda por seus produtos top de linha; e a Apple (que lidera o segmento premium) apresentou o iPhone 6 S e o iPhone 6 S Plus, que teve lançamento simultâneo na China, o que ajudou a aumentar significativamente as vendas globais do trimestre.

De acordo com o Gartner, a Huawei continua com sua dinâmica de crescimento, impulsionada pelas vendas tanto no mercado doméstico quanto no mercado mundial, especialmente na Europa, onde as vendas foram estimuladas pela crescente visibilidade da marca.

No mercado de sistemas operacionais (SO), o iOS continuou registrando forte desempenho, e cresceu 21% acima da média do mercado. As vendas de Androids aumentaram 1,4% em relação ao mesmo período do ano passado, devido aos fortes resultados mundiais da Samsung e da Huawei.

Apesar da chegada do Windows 10, a participação da Microsoft no mercado de smartphones caiu de 3% para 1,7% em relação ao ano anterior. A sensação da consultoria é que aparelhos com essa plataforma terão maior aderência no corporativo.

Fonte: Computerworld