• Outubro de 2017
Home / Notícias

De vendedor de caixão a dono de 11 franquias

Anderson Teodoro, de 39 anos, tem faturamento de R$ 1,6 milhão por mês com franquias de curso de inglês

Há 20 anos, Anderson Teodoro nunca achou que se tornaria um empresário dono de franquias. Muito menos, que o ponto de partida seria a vaga de emprego marcada nos classificados do jornal. Quando se inscreveu para a seleção da equipe de vendas de um curso de inglês, ele só queria trocar de emprego e deixar de vez a vida de vendedor de caixão e planos funerários, “um serviço difícil, feito num momento difícil”.

Hoje são onze escolas, 14 sócios espalhados pelo País e um faturamento mensal total de mais de R$1,6 milhão. A previsão é que, em 2015, ele abra outras duas franquias. O segredo para um crescimento financeiro tão grande em apenas duas décadas? A resposta está longe de ser sorte. Segundo Teodoro, ele foi persistente, priorizou o profissional e soube contar com boas parcerias.

O mais irônico é que ele não se considerava um ótimo vendedor, alguém com um dom inato, extraordinário. Nada disso. Mas, alguma coisa começou a mudar assim que ele foi chamado para integrar o time de vendas do curso de inglês.

“Durante o treinamento, me falaram que a gente poderia chegar a gerente. Acho que foi ali que plantaram uma sementinha na minha cabeça. Eu vi que podia ter crescimento profissional, mas não achava que ia ser tão rápido. Hoje eu sou diretor”, conta.

O ano era 1995. Anderson tinha 19 anos que acabava de deixar o emprego “com metas, comissão, e tudo mais” de uma funerária em Curitiba (PR)., onde ganhava pouco mais de um salário mínimo da época.

Anderson conta que teve muita dificuldade no começo. Aprendeu o que sabe hoje, fazendo. “E olha que tinha muito gente melhor e mais preparada que eu ali naquele treinamento. Eu não sabia me comunicar direito, tinha dificuldade na parte técnica, mas fui persistente”, lembra. Talvez o único ponto positivo fosse a experiência e o aprendizado com o ramo funerário. “É muito mais difícil de vender, né?”.

Uma questão de prioridades

Quando se tornou finalmente gerente, aos 21 anos, decidiu que ia investir ainda mais na carreira. “A vida se faz nas escolhas da gente. Tem quem queira tudo ao mesmo tempo, mas eu acho que precisamos priorizar e eu priorizei o trabalho”, conta.

Nesta época viajou pelo País inteiro e passou pela área de vendas de várias escolas e redes, o que considera ter sido ótimo para conhecer o mercado, identificar locais com maior potencial para o negócio, assim como as características de cada região. Com as andanças pelo País, teve que trancar e depois largar o curso de Administração de Empresas. “ É que eu estava focado. Onde quer que precisassem, era só chamar que eu ia. Fui para Cuiabá, Campo Grande, Porto Alegre, Santos, Teresina, Aracaju, Goiânia...”, diz.

Em 2001, viu outra oportunidade. A CEO da Minds English School, Leiza Oliveira, sugeriu que ele fosse para Belém (PA) e abrisse a própria franquia. Ele sabia que existia uma demanda por cursos de inglês na região, a própria Leiza tinha uma franquia em Manaus (AM) que estava indo bem. Decidiu, então, pedir demissão e ir para o Norte do País.

Investimento pequeno, crescimento rápido

“Peguei o dinheiro da rescisão e montei uma nova franquia minha e de outros sócios. Comecei com 10%. Era o que eu tinha. Mas você sabe que dinheiro chama dinheiro, né?”. Na segunda franquia que abriu, em Barcarena (PA), dois anos depois, entrou com 30%.

Teodoro não parou por aí. Ele economizava o que podia e assim foi ampliando o número de franquias. Depois de Barcarena, abriu outras duas em Belém, depois em São Luís (MA), Teresina (PI), Palmas (TO), Rio de Janeiro (RJ) e Belo Horizonte. O plano é abrir mais duas franquias - Teresina (PI) e Imperatriz do Maranhão (MA) - neste ano ainda. A escola em São Luís é a maior franquia do País. “Tem 2.800 alunos, quase o tamanho de uma faculdade”, comemora.

Em média, o franqueado da rede investe de R$ 200 mil a R$ 250 mil, no caso de Teodoro, ele sempre abriu franquias com vários sócios. “Ter vários sócios é a melhor parte. Não é difícil, não. Tem várias cabeças pensando”, diz. A lucratividade, de acordo com a Minds English School, é de 25 a 35%. Ao todo, a empresa tem 70 unidade e Teodoro é o maior franqueado.

Agora, a prioridade de Teodoro está em aproveitar a vida. Ele quer viajar a passeio mesmo. “Tenho planos de crescimento, mas agora consigo investir mais e os sócios entram com o trabalho, eu só coordeno ou passo experiência. Agora vai dar para conhecer outras partes do mundo e me divertir”, conta. Tudo uma questão de prioridades.

Fonte: IG Economia