• Setembro de 2017
Home / Notícias

Mastercard: vendas no varejo físico caem 2,1% e crescem 8,1% no e-commerce

As vendas do comércio varejista restrito (que exclui automóveis e materiais de construção) nas lojas físicas caíram 2,1% em abril ante o mesmo mês do ano passado, mostra o SpendingPulse, relatório mensal sobre o comércio varejista da MasterCard. No sentido oposto, a pesquisa mostra que as vendas online do varejo cresceram 8,1% no período, aquecidas por promoções.

O relatório aponta ainda que, em abril, as vendas nas lojas físicas de cinco dos sete setores analisados foram maiores do que a média total: farmácia, artigos pessoais, materiais de construção, móveis e eletrônicos e vestuário. Supermercados e combustíveis ficaram abaixo da média. Já no e-commerce, o crescimento das vendas de móveis e vestuários ficou acima do crescimento total das vendas online, enquanto as de eletrônicos ficaram abaixo da média.

"As vendas foram impactadas pela Páscoa, que foi antecipada este ano, fazendo com que uma parte das vendas acontecesse em março e reduzindo os números em abril", avaliou o diretor de pesquisas econômicas da MasterCard Advisors, Kamalesh Rao. Ele acrescenta que o feriado de Tiradentes, que caiu no meio da semana (uma terça-feira), também influenciou, ao impulsionar uma antecipação de vendas nos dias anteriores.

Economistas da MasterCard destacam que o desempenho fraco do varejo restrito nas lojas físicas é reflexo ainda da baixa confiança dos consumidores, que, mesmo após registrar a primeira alta neste ano em abril (3,3%), ainda se mantém em níveis baixos. Essa confiança fraca, junto com aumento do desemprego e da inflação e com incertezas no ambiente econômico, apontam para um "ambiente hostil" para as vendas no País, preveem.

IBGE

Na quinta-feira, 14, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgará números oficiais do desempenho do comércio varejista de março. Segundo estimativas de 44 instituições do mercado financeiro coletadas pelo AE Projeções, as vendas no varejo restrito em março ante fevereiro devem variar entre queda de 1,8% a crescimento de 0,3%, com mediana negativa de 0,4%.