• Outubro de 2017
Home / Notícias

Veja os cuidados para quem quer ter franquias em diferentes setores

O empreendedor Márcio Murayama conta como administra lojas em dois segmentos bem diferentes: alimentação e acessórios de moda.

Marcio é um empreendedor versátil do ramo de franquias, onde está há 13 anos. Ele tem lojas em dois segmentos bem diferentes: alimentação e acessórios de moda.
“Quando eu comecei eu não pensava em ter mais de uma loja, mas aos poucos você vai adquirindo uma certa confiança, uma certa experiência e isso acaba tornando automático esse crescimento”, diz o empresário Márcio Murayama.

Para dificultar ainda mais, o empresário comanda negócios em três cidades do interior paulista: duas lojas em Ribeirão Preto, duas em Bauru e sete em Campinas. Além disso, as lojas são de cinco marcas, que pertencem a dois grupos distintos.
“Eu tenho irmãos, sócios, minha esposa e eu costumo rodar pelas lojas. Mesmo nas mais distantes eu vou o máximo que eu posso, mas essas pessoas me suprem isso. Se você não tiver esses braços-direitos do seu lado, fica difícil”, conta.

Conciliar a operação de várias lojas é um desafio que exige muitas habilidades, principalmente quando são marcas diferentes. Aí, o caminho para o equilíbrio da gestão das franquias começa com o entendimento de cada negócio separadamente.
"É pensar cada marca como uma marca. Então, o que cada marca precisa, o que cada loja, cada unidade, cada empresa precisa, tentar entender as necessidades de cada negócio", explica Nadia Raduan, gerente de operações da Ornatus.

“O diferente é conhecer o DNA de cada marca, conhecer o público que você atua e conhecer muito bem o produto que você vende”, diz Márcio Murayama.

Mas é preciso ter perfil para isso: estar disposto a cumprir regras, ser ativo no negócio e um bom líder de equipe.

“Com o tempo eu fui conseguindo formar uma boa equipe, eu consegui fazer a diferença com essas pessoas e aí você vai conseguindo replicar”, explica Márcio.
E só com muito planejamento Marcio consegue administrar também o sono.
“O pessoal fala: ‘Poxa, Márcio, você consegue deixar à noite e dormir?’ Eu consigo. Eu tenho que chegar na loja, fazer tudo o que eu planejei naquele dia. Eu vou pra casa tranquilo, volto pra minha família e, à noite, eu consigo desligar a chavinha e descansar”.

Fonte: G1