Sexta-feira, 22 de Janeiro de 2016
NRF 2016: Brasileiros trocam experiências no Varejo NRF 2016: Brasileiros trocam experiências no Varejo
A 105ª edição da NRF Big Show terminou ontem em Nova York. O maior evento de Varejo do mundo destacou o tema "Retail in a Big Way" e contou com mais de 33 mil visitantes. Tecnologias, fidelização, experiência de compra, omnichannel e engajamento dos consumidores millennials - aqueles nascidos em meados dos anos 80 até o início de 2000 - foram os temas em destaque.

Segundo dados da consultoria GS&MD - Gouvêa de Souza, os millennials representam 2 bilhões de pessoas no mundo e a maior parte está concentrada na China. Eles buscam mais que produtos, esperam estabelecer uma conexão mais profunda com as marcas, principalmente aquelas que trazem conceitos de sustentabilidade e responsabilidade social.

Os debates da NRF mostraram que essa geração de consumidores está fazendo com que os varejistas repensem as estratégias de marketing e a proposta de valor. A marca de luxo norte-americana de Detroit, Shinola, é um exemplo de empresa que está empenhada em renovar o espaço do varejo com foco nessa nova comunidade de consumidores com criação artesanal de relógios, bicicletas e diversos produtos em couro.

No Brasil, uma das maiores marcas de varejo de moda, a carioca Reserva é outro exemplo de engajamento com a geração millennials. O próprio slogan da varejista já é um convite para os consumidores: “Somos um amigo e não uma marca!”. Além de ser mais tecnológicos com intenso uso da mobilidade, os jovens também desejam criar laços com os varejistas em um ambiente colaborativo, criativo e cheio de conectividade.

Varejo inteligente

A delegação do Brasil foi a segunda maior na NRF 2016, atrás apenas do Canada. Foram mais de 1.800 brasileiros trocando experiências com o Varejo norte-americano, tirando insigths, fazendo negócios e conferindo novidades tecnológicas. Com mais de 590 expositores, o evento trouxe um amplo e diversificado portfólio de soluções e serviços para o Varejo. Tecnologias vestíveis, análise de dados, mobilidade, geolocalização, internet das coisas, omnichannel, dispositivos para digitalizar as lojas, ERP, além de segurança e logística foram apresentadas nos estandes.

A IBM destacou ferramentas de análise de dados que vão auxiliar os clientes a endereçarem as melhores soluções aos consumidores, utilizando novos recursos de dados como Twitter, previsão do tempo e notícias para criar ideias e modelos preditivos para a força de trabalho, cadeia de suprimentos e gerenciamento de marketing. Além disso, as soluções têm a proposta de monitorar os dados produzidos pelas mídias sociais para personalizar a experiência do consumidor gerando recomendações relevantes e individualizadas baseadas em seu comportamento de compra, atividade na web, entre outros.

Na visão de Alejandro Padron, executivo para Varejo da consultoria da IBM Brasil, a computação cognitiva tem o potencial de transformar o setor, permitindo o uso de grandes volumes de informações estruturadas com não estruturadas baseadas na Plataforma Watson.

“A inteligência artificial é uma evolução para todas as indústrias, inclusive para o Varejo. Ela está auxiliando as companhias a permitirem compras interativas, transformando a experiência dos consumidores. Na prática, ela permitirá que o grande volume de dados gerados pelos clientes nas suas interações com o varejo (em especial a navegação por sites, redes sociais) seja utilizada para personalizar as relações com os consumidores. A partir da conversação natural, a interface intuitiva pode recomendar as opções adaptadas às necessidades do indivíduo”, explica Padron.

Lição de casa

Segundo ele, o varejista brasileiro tem muito a aprender com o norte-americano, pois é um mercado extremamente competitivo, principalmente com novos modelos de negócio, o que obriga uma constante inovação. “Não basta ser o maior varejista, tem que ser o melhor no atendimento e no entendimento do consumidor. Como desenvolver, manter esta agilidade e inovação é a grande lição que podemos tirar da NRF.”

“Em nosso País, as redes precisam continuar inovando. Estamos vivendo um cenário desafiador para o Varejo e a tecnologia permitirá que os lojistas se tornem mais eficientes no atendimento personalizado ao cliente, investindo suas forças na gestão, controle, pessoas, operação e redução de custos. A ideia é combater o desperdício e melhorar os processos a fim de desenvolver um negócio mais sustentável”, conclui Padron.
Fonte: Decision Report
Tags: Nrf big show, Nova york, Evento de varejo
São Paulo - A Casas 17/09/2014 - Saiba quem são as 13 redes de moda que mais vendem no Brasil
São Paulo – Nos últi22/07/2014 - 20 franquias que buscam empreendedores no interior de SP
São Paulo - Ter uma 11/05/2015 - 30 opções de franquias para trabalhar de casa
São Paulo – Muitos e04/08/2014 - 20 opções de franquias para abrir em casa
Os shoppings da Gran05/12/2014 - SP: Shoppings têm horário especial em dezembro para compras de Natal
São Paulo - Muitos e06/07/2015 - 20 franquias para quem pode investir até 20 mil reais
Texto da Busca:
Data Inicial:
Data Final:
                   
shoppings são paulo preços ipi confiança e-commerce inadimplência crédito faturamento varejo ecommerce indústria economia franquias comércio vendas supermercados consumo natal veículos

Notícias | Artigos | Motivação | Cases | Feiras | Links | Newsletter | Cadastre-se | Calendário do Varejo | Twitter | RSS | Fale Conosco
© 2016 Copyright Varejista.com.br. Todos os direitos reservados. - Site: SGP Infront