• Outubro de 2017
Home / Notícias

SP: Calor em Campinas faz vendas de ar-condicionado disparam nas lojas

Segundo o relatório da Agência Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos, 2014 foi o ano mais quente do planeta desde 1880, ou seja, nos últimos 134 anos não fazia tanto calor assim. Em 2015 as temperaturas continuam em alta. Uma solução para enfrentar o calor é o ar-condicionado. No entanto, em Campinas (SP) as vendas do produto dispararam e os consumidores têm dificuldade para encontrar o produto nas lojas.

Para se refrescar na rua e baixar a temperatura corporal, a solução encontrada pela babá Rosalina Simionato foi um sorvete. “Está muito calor. Estou tomando sorvete para refrescar, mas não está adiantando muito”, afirma.

O calorão também é sentido por quem trabalha o dia inteiro dentro de um carro, sem ar-condicionado. “A sensação aqui é de 40º C. Tá muito quente e trabalho o dia inteiro andando de carro, não é fácil “, afirma o designer Webert Marques.

Ar-condicionado

Dentro de casa, segundo a advogada Andréia Cota, está mais abafado ainda. “Está demais, o que é isso. Dentro de casa não dá para dormir, fazer nada", destaca. Então, a solução encontrada para refrescar o ambiente é recorrer ao ar-condicionado. No entanto, os consumidores de Campinas estão tendo dificuldade para achar os produtos nas lojas, já que as vendas dispararam.

Segundo o gerente Daniel Vicente, além das altas temperaturas, os preços mais acessíveis também contribuíram para o crescimento das vendas. “Hoje o ar não é apenas um conforto, mas uma necessidade”, explica.

Em outra loja, a quantidade de clientes foi tão grande que há quinze dias acabou o ar condicionado portátil. O único que sobrou foi o da loja mesmo.

Os preços aumentaram em novembro, e segundo o técnico de ar-condicionado Felipe Rodrigues, haverá um novo reajuste. “Mais dois ou três meses, se continuar esse calor é para dar falta no mercado. E a partir de segunda-feira, a gente vai ter um reajuste de 3% a 4%, tanto influenciado pela demanda como pela alta do dólar”, afirma.

Fonte: G1