• Novembro de 2017
Home / Motivação

Motivação

Trabalho e Vida Pessoal

interna.jpg
Estive refletindo bastante sobre a combinação destas várias responsabilidades do dia a dia: ser empreendedor num negócio pequeno (um trabalho de altíssima demanda de tempo), ser pai de um casal de gêmeos super-ativos de 4 anos, e marido de uma mulher com intensa atividade profissional. Não vou pretender ser um especialista. De fato, o aprendizado e a adaptação são constantes, e a pressão de todos os lados, imensa.

Vou compartilhar o que tenho aprendido, mas com um aviso: não tenho ideia se é bom ou ruim, apenas que é assim que está funcionando para mim, agora. É provável que em alguns anos, eu tenha mudado, aprendido mais e talvez até me arrependido de algumas coisas. Mas no momento, é mais ou menos assim que faço:

Não separar o trabalho e a vida pessoal
Pode parecer contraditório, mas eu acredito que separar as atividades não faz nenhum sentido. Demanda muito mais energia e trabalho cuidar de coisas separadas. Acho que é muito mais fácil integrar tudo. Isso significa que levo trabalho para casa, para trabalhar perto da família, em vez de ficar mais horas no escritório. E também significa que minha família está sempre perto do trabalho. Com minha mulher, sempre fizemos questão de morar muito perto do trabalho (mesmo que o aluguel seja mais caro), e que a escolinha seja perto também. Antes das crianças nascerem, quando eu estava em obras para montar nossa primeira loja, a minha mulher saía do trabalho, já tarde da noite, e vinha me fazer companhia enquanto eu terminava de organizar alguma questão. Quando os gêmeos nasceram, eles se integraram a esse estilo de vida com bastante facilidade e nós nos adaptamos ao novo momento sem perder o pique. Não foi fácil, mas, no final do dia, achamos nossa vida bastante interessante do jeito que é.

Assuma suas paixões
Eu amo minha família, e amo o que faço, amo meu trabalho e a equipe. Não há necessidade de ficar envergonhado por isso. E nunca me faço a pergunta de “quem amo mais”. Não há competição. Eu não comparo. Eu acho que sou uma pessoa melhor e um pai melhor justamente porque sou uma pessoa realizada com meu trabalho. Eu realmente espero que meus filhos tenham uma vida melhor se eles me virem aproveitando bem a minha vida, e a usem de exemplo para perseguir seus próprios sonhos e vontades.

Estar presente
Vou contar um caso real. Um dia eu estava com meus filhos na pracinha numa terça-feira de tarde, e enquanto eles brincavam eu respondia alguns e-mails no celular e fazia um par de ligações com negociações complicadas. Uma moça se aproximou e me recriminou dizendo que deveria estar dando atenção as crianças e deixar o estúpido celular de lado.

Eu pensei: Eu sou o único pai na pracinha nesta tarde linda, e o motivo de eu estar aqui com as crianças, em vez de estar no escritório é porque consigo comandar meu negócio através deste estúpido celular! Além do mais, todas as mães e babás também estão com seus celulares ou conversando sobre algum assunto desinteressante. E as crianças estão se divertindo maravilhosamente bem brincando com outras crianças e não precisam de um adulto atrapalhando. É claro que não falei nada disso que pensei na hora.

O ponto onde quero chegar é que é importante aproveitar de todo momento possível para dar atenção aos filhos, mas sem se sentir culpado de não poder estar presente o tempo todo. Ás vezes o bom mesmo é estar junto, dando risadas, brincar, e poder interromper por 5 minutos e depois voltar à construção do fantástico castelo de travesseiros, com o mesmo interesse. Curtir cada momento com a mesma intensidade. E, de vez em quando, até curtir não fazer nada.

Mostrar na prática o que o pai – ou mãe – faz
Uma das coisas mais importantes que meus filhos recebem como aprendizado e valores é acompanhar o dia a dia, me acompanhar ao trabalho, comer a comida que eu faço. Eles conhecem as lojas, conversam com as pessoas, me perguntam coisas do tipo: “Papai, é você quem fez esse nhoque? Está delicioso”. Vez ou outra, num domingo de manhã, quando vou trabalhar, me desejam bom trabalho.

Expliquei uma vez que papai trabalha porque gosta de trabalhar, assim como eles gostam de brincar (que é oficialmente o “trabalho” deles). Para eles e para mim, a separação de trabalho e lazer não existe. Isso me permite ser mais focado e livre.

Me dou conta que pratico muito do que aprendi com meus pais – eu já contei um pouco sobre eles na História de uma Família. O mundo mudou bastante: a família “tradicional”, em que o “homem” sustentava a casa e a “mulher” cuidava dos filhos, já era algo que meus pais nunca aceitaram, e hoje em dia é arcaico. Da mesma forma, acredito que a divisão entre vida pessoal por um lado e profissional por outro, não apenas é pouco prática, como disfuncional para os tempos atuais.

Fonte: http://blogs.pme.estadao.com.br/blog-do-empreendedor/marido-pai-e-empreendedor/

Ivan Primo Bornes – o fundador do Pastifício Primo escreve no Blog do Empreendedor. ivan.primo@pastificioprimo.com.br

Posts Recentes