• Novembro de 2017
Home / Artigos / Vendas

Vendas

A história do garfo gigante

Por Maurício Góis

Era uma vez um vendedor chato que queria ser um Campeão. Ele dizia pra todo mundo que seu gerente de vendas só sabia cobrar. Que seu cliente só sabia reclamar. Que sua empresa só sabia exigir. E que seu cônjuge só sabia torrar a paciência.

Não agüentando mais tanta insatisfação, o vendedor chato pediu ao Eterno Deus que lhe apontasse uma solução. Então, o Criador fez o vendedor chato adormecer e ele sonhou que um Anjo lindo se aproximou e lhe disse: "Vou levar você para conhecer o Céu e o Inferno. Qual deles você quer conhecer primeiro?"

O vendedor chato pensou e respondeu: " - Ora, minha vida já está uma droga mesmo, então, para começar, vamos conhecer o Inferno.". E assim foram. Logo que chegaram no Quinto dos Infernos, o vendedor chato notou que o clima lá era perfeito, o vento era uma brisa acariciadora e o tapete da Natureza era de um verde exuberante. O vendedor chato perguntou: " Ora, se esse é o inferno, eu quero morar aqui!".  E o anjo respondeu: "Calma, calma, espere para ver”.

Quando o relógio da praça bateu 12h30, o Anjo Lindo apontou o Restaurante Infernal e convidou o vendedor chato para almoçar. Entraram e logo o vendedor chato notou que o restaurante era de ouro puro, as mesas de prata e que havia uma cortina de veludo brilhante. Uma mesa quilométrica apareceu com as melhores comidas do Universo: frutas deliciosas, pratos saborosíssimos, uma maravilha indescritível para os olhos e o estômago.

O vendedor chato notou que o Capeta Chefe apareceu e disse: " - Canalhada, é o seguinte: a prova de hoje consiste em almoçar usando esse garfo de 2 metros de comprimento. Mas sem truques: almocem segurando bem aqui na pontinha do garfo e, assim, levem a comida à boca, sem dobrar o braço, entenderam?

O vendedor chato, então, falou ao Anjo Lindo: " - Ora, mas isso é impossível, pois se eles segurarem na pontinha do garfo jamais alcançariam a boca." Pois foi o que aconteceu. Os moradores do inferno bem que tentaram, mas tudo foi em vão: a cortina se fechou e eles estavam mais famintos do que antes.

O Anjo Lindo, então, convidou o vendedor chato para conhecer o Céu. Viajaram alguns bilhões de anos-luz e chegaram no Paraíso do Criador. O vendedor chato levou um susto. O Céu era igual ao Inferno: havia o mesmo clima perfeito, a mesma brisa acariciadora, o tapete da Natureza de tão lindo era exuberante.

Foi, então, que o vendedor chato, ironicamente, disse: "Agora, só falta a gente, na hora do almoço, encontrar um restaurante que seja de ouro puro, que tenha mesas de prata e... Mal ele falava quando foi transportado para o Restaurante Celestial: uma cortina de veludo brilhante doirado se abriu e mostrou uma mesa quilométrica com as iguarias mais gostosas e saudáveis, impossíveis de serem descritas por um cérebro humano.

O vendedor chato quase desmaiou de emoção quando notou que um Anjo Querubim apareceu e fez entrar os habitantes do Céu: quanto diferente eram dos magrelos e doentes do Inferno! O Anjo Querubim reuniu o pessoal à mesa e falou com voz divinal: "Amados, é o seguinte: a prova de hoje consiste em almoçarem segurando esse garfo de 2 metros de comprimento. Vocês têm de pegá-lo bem na pontinha e levar a comida à boca, mas sem dobrar o braço, entenderam, meus queridos?

O vendedor chato se dirigiu ao seu Anjo Lindo e disse: "Ora, isso é impossível, pois a distância entre a boca e o garfo no braço esticado é muito grande, eles não vão conseguir. Por que, então, estão todos aí contentes e sorrindo?!" O vendedor chato não podia acreditar no que iria ver: os habitantes do Céu usavam o próprio garfo para colocar a comida gostosa um na boca do outro. As pessoas pegavam no garfo sem dobrar o braço e serviam o semelhante mais próximo e, ao mesmo tempo, eram servidos. Com o próprio garfo, alimentavam o colega.

O vendedor chato acordou de seu sonho. O Eterno Criador lhe mostrara o caminho do sucesso. O Céu e o Inferno eram iguais em tudo, exceto em uma coisa: o que tornava o Inferno um lugar insuportável e infeliz é que lá não havia cooperação. As pessoas eram egoístas, orbitavam apenas em si mesmas sem levar em conta o universo do Outro. Por estarem centradas em si mesmas, as pessoas do Inferno não conheciam o benefício de Servir. Por isso, eram doentes e infelizes. Servir é saúde para o Espírito e traz dinheiro vivo para o bolso. Concentre-se no outro e você enriquecerá. Orbite apenas em torno de si e você empobrecerá.

No Céu e no Inferno existiam os mesmos recursos, talentos e materiais. Em ambos, estavam os 6M: Meio Ambiente, Máquinas, Matérias-Primas, Mão de Obra, Métodos e Medidas. Mas num as pessoas eram felizes e, noutro,insuportavelmente tristes.

Sua empresa pode ser um Céu e um Inferno: depende apenas de sua atitude. Vá ao mercado pensando no prazer de ajudar. Motive-se pela Missão, não pela Comissão. Colaboração e cooperação são duas ferramentas da excelência. O vendedor chato mudou sua postura. Hoje, seus colegas gostam dele. Seu gerente o admira. Sua empresa pensa em promovê-lo. E os clientes dizem que sentem prazer em fazer negócios com uma pessoa que tem um brilho diferente no olhar e no riso.

Maurício Góis
Trabalha em programas e projetos de desenvolvimento de Vendas, Motivação, Marketing, Atendimento, Negociação, Criatividade, Telemarketing, Teamwork, Competência Emocional e Fidelização de Clientes.
E-mail: contato@mauriciogois.com.br
www.mauriciogois.com.br

Posts Recentes