• Outubro de 2017
Home / Artigos / Tendências

O impacto do 4G no varejo

Por Júlio Fábio Chagas

 
Muito se tem falado sobre como a tecnologia de transmissão de dados 4G irá beneficiar o mundo dos negócios, incluindo o varejo.
 
Temos visto muitos artigos publicados sobre lojas futuristas com super-consumidores super-conectados, mencionando o quê seria possível fazer em termos de interação e experiência com as marcas e pontos de venda, em função de uma tecnologia como a 4G.
 
Muitas das projeções futuristas levam em conta a experiência de países que já utilizam a tecnologia 4G, principalmente a Suécia e Noruega, onde a 4G está disponível desde 2009. E estes países têm sido utilizados como benchmarking.
 
Porém, é importante analisarmos alguns números para termos uma melhor compreensão do que esperar da 4G no curto, médio e longo prazo, e como o varejo deve se preparar para isso.
 
Se você colocar um roteador wi-fi em sua casa para compartilhar o acesso à internet com toda a sua família, de até 5 membros, você praticamente não vai perceber diferença na velocidade de acesso individual. Porém, se você convidar seus vizinhos e parentes para acessar sua internet por meio do seu roteador, o acesso individual vai piorando à medida que mais e mais pessoas se conectam. E piorando ainda mais, se cada um resolver assistir vídeo on-line ou iniciar download de arquivos grandes demais.
 
Agora vamos fazer uma analogia: A área geográfica da Suécia, ou Noruega, seria o seu apartamento. A infraestrutura 4G deles equivale ao seu roteador wi-fi e a população desses países equivale à sua família. Com este cenário, a qualidade do serviço é simplesmente fantástica. Agora vamos extrapolar e convidar vizinhos e parentes.
 
De início, basta dizer que o Brasil é 18,92 vezes maior do que a Suécia e 22,11 vezes maior que a Noruega, mas que, apesar de maior, consta na posição 81 dos países com população abaixo do nível da pobreza, enquanto esses dois países nem aparecem na lista, a qual possui 153 países (Fonte: CIA World Factbook 2011).
 
A Suécia possui uma densidade populacional de 20 habitantes por Km2. Em São Paulo temos 166,2 hab./km2. Ou seja, muitos vizinhos e parentes compartilhando as mesmas conexões, o que, fisicamente pode ser traduzido em: Sem investimento em infra-estrutura o 4G terá velocidade de 3G, assim como a 3G de hoje equivale a 2G do passado.
 
Vale lembrar que a infraestrutura atual 3G é deficitária, não atendendo a demanda, com nível de serviço muito ruim. Lembrando que área de cobertura de sinal não quer dizer qualidade de sinal.
 
Portanto, até a tecnologia 4G ganhar escala de consumo igual à 3G vai demorar bastante. Logo, no curto a médio prazo, o varejo para se beneficiar desta tecnologia deverá mirar no público classe A para A+++. No longo prazo será outra história, mas somente para aqueles que se prepararem para isso. 
 
Hoje já existem tecnologias mais baratas e em uso por boa parte dos consumidores: Bluetooth, RFID, NFC, TV Digital com Interatividade, mobilidade, entre outras. São tecnologias que já atingiram uma escala de consumo que permitiu seu fácil acesso. Apesar disso, o varejo não assimilou a cultura de utilização destas tecnologias, como novos canais de venda e relacionamento.

O conceito Omni-Channel ainda não existe por aqui... Não na escala compatível com o porte do país e volume de consumidores ativos e compulsivos.
 
Por isso a pergunta: Se o varejo até agora não reviu seus conceitos e estratégias para se beneficiar da tecnologia existente, a qual não somente é madura e mais barata que a 4G, mas principalmente que conta com a alta adesão do consumidor, por que se preocupar com o 4G? Ou será que a disruptura do modelo de canais de vendas não orientado ao omni-channel só poderá ser viabilizado com a 4G?


Júlio Fábio Chagas é Diretor Comercial da MC1.